quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Amargo

Meu reflexo
Nos seus olhos castanhos
A cama quente
De uma manhã fria
Já sabia que não era certo
Mais uma noite demente
Quem é você?
Quem sou eu quando estou com você.
Monstro do meu pesadelo
Não se vá
Não me deixe aqui
Uma doce dor desse amargo amor
Não me convence um final feliz
Ardente, prejudicial, indecente
Seu calor me comove
À um grave delírio
Dessa forma
Suave
Sangrenta paixão
Com um pouquinho de luxúria
Sem opção de viver melhor

Nenhum comentário:

Postar um comentário